Lei de Natalini sobre odontologia hospitalar é celebrada em evento no Hospital São Paulo

Na manhã desta 5ª feira (7) aconteceu no anfiteatro do Hospital São Paulo um evento para apresentar e celebrar a Lei nº 16.860/18/ PL 584/16, de autoria do vereador Gilberto Natalini (PV). A proposição visa a obrigatoriedade de atendimento bucal para pacientes hospitalizados. 

O evento foi convocado pela diretoria do Hospital São Paulo, através do seu departamento de saúde bucal. O auditório estava lotado de pessoas interessadas no assunto, entre elas:  VEREADOR GILBERTO NATALINI (PV), PROF. DRA. SORAYA SOUBHI SMAILI- REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO; DRA. EMILIA SATO- DIRETORA DA UNIFESP; DR. FRANCISCO ASSIS FIGUEIREDO – SECRETÁRIO DE ATENÇÃO A SAÚDE – MINISTERIO DA SAUDE; DR. WILSON MODESTO POLLARA- SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE; DR. KELLER DE MARTINI – REPRESENTANDO O DR. JULIANO DO VALE, PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA; DR. GASPAR DE JESUS LOPES FILHO- VICE-PRESIDENTE DA SPDM; PROF. DR. JOSÉ ROBERTO FERRARO – SUPERINTENDENTE DO HOSPITAL SÃO PAULO; DRA. LIVIA MARIA ALMEIDA COELHO DE SOUZA – COORDENADORA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL DO MINISTÉRIO DA SAUDE; DR. MARCOS CAPEZ – PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO; DR. WILSON CHEDIEK – PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DOS CIRURGIÕES DENTISTAS;
DR. SILVIO CECCHETTO – PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CIRURGIÕES DENTISTAS; DR. CLAUDIO MIYAKE – PRESIDENTE LICENCIADO DO CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SAO PAULO e DR. MARCOS CAPEZ- PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CROSP; DR. JOSE LUIZ GOMES DO AMARAL – PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA.   

Propiciar às pessoas hospitalizadas tratamento de saúde bucal adequado às suas necessidades. Este é o propósito da Lei 16.860/2018. O texto de autoria do vereador, Gilberto Natalini, soma-se à Lei 16.380/2016, sobre a saúde bucal da pessoa com deficiência. 

De acordo com o vereador, a medida trará diversos benefícios aos pacientes como a melhora na qualidade de sobrevida, redução de risco de contrair infecções, do tempo de internação, dos custos hospitalares e da necessidade de exames complementares. 

A racionalização do uso de antibióticos e medicações, a melhora do atendimento aos pacientes com doenças, que necessitam de preparo odontológico prévio a procedimentos hospitalares, bem como a valorização dos cirurgiões-dentistas e da saúde bucal são outros ganhos proporcionados pela nova lei.



Saúde SUS    Meio Ambiente e Sustentabilidade    Urbanismo    Biblioteca    Demais Atividades     ComissaoDaVerdade